pt-pt +351 21 845 26 89 / 90 geral@papa-leguas.com
+351 21 845 26 89 / 90 geral@papa-leguas.com

Um verão no Japão

Desde 2.980
Voos não incluídos
Quarto individual
520
Quarto individual 2025
600
Disponibilidade
Início
Fim
Estado
Sábado03 Ago, 2024
Domingo18 Ago, 2024
1 vaga2.980,0
Sábado02 Ago, 2025
Domingo17 Ago, 2025
disponivel3.030,0
Inscreva-se
Pergunte-nos
Pagar um sinal de 30% por viagem
Condições Particulares Condições Gerais
Durante o verão no Japão, as vistas para o Mt. Fuji desde a Pagoda Chureito, são absolutamente incríveis.

Um verão no Japão


Condições Gerais

O presente programa / catálogo online é o documento informativo no qual se inserem as presentes condições gerais, dele fazendo parte integrante e que constituem, na ausência de documento autónomo o contrato de viagem.
 
A presente informação é vinculativa para a agência salvo alguma das presentes condições:
  1. Se as alterações nas seguintes condições tenham sido comunicadas claramente por escrito ao cliente antes da celebração do contrato e as mesmas estejam devidamente previstas no programa;
  2. Quaisquer alterações posteriores à celebração do contrato dependem de acordo prévio das partes, salvo o previsto na cláusula “impossibilidade de cumprimento”.
As presentes condições gerais obedecem ao disposto no Decreto-lei 61/2011 de 06 de Maio, com a alteração que foi introduzida pelo Decreto-lei 199/2012 de 24 de Agosto.
 
As Condições Gerais cujo objeto seja uma viagem organizada constante do presente programa e as condições particulares que constam da documentação de viagem facultada ao cliente no momento de reserva da viagem consubstanciam o contrato de viagem que vincula as partes.

1. ORGANIZAÇÃO

A organização técnica e venda das viagens incluídas no presente site é da responsabilidade da Papa-Léguas, agência de viagens e turismo Lda, com sede na Rua Manuel Assunção Mestre, nº22,  7780-199 Castro Verde, matriculada na conservatoria do Registo Comercial de Lisboa e com Contribuinte Fiscal nº 504163590, com o capital social realizado de 99.759,60€ (noventa e nove mil, setecentos e cinquenta e nove euros e sessenta cêntimos), e com o registo  RNAVT nº 2275 e RNAAT nº 67/2014.

2. INSCRIÇÕES

No acto da inscrição o cliente deverá depositar 30 % do preço do serviço num prazo não superior a 48 horas após a reserva, liquidando os restantes 70% até 31 dias antes do início do serviço, salvo norma contraditória constante nas condições particulares da viagem em que se inscreve. Se a inscrição tiver lugar a 31 dias ou menos da data do início do serviço, o preço total do mesmo deverá ser paga no acto da inscrição. A Papa-Léguas, agência de viagens e turismo Lda reserva-se o direito de anular qualquer inscrição cujo pagamento não tenha sido efectuado nas condições acima mencionadas. As reservas encontram-se condicionadas à obtenção da parte dos fornecedores da confirmação de todos os serviços.

Os preços das viagens são apresentados por pessoa e tendo por base a ocupação em quarto partilhado por duas pessoas. A agência organizadora agrupará aos pares, por sexo, e por ordem cronológica de inscrição os Clientes que se inscreverem individualmente para a mesma viagem. O Cliente que ficar isolado deverá pagar o suplemento individual respetivo, sempre que exigido pelo prestador de serviços.

INFORMAÇÃO AO ABRIGO DA LEI N.º 144/2015 DE 8 DE SETEMBRO:

Nos termos da Lei n.º 144/2015 de 8 de Setembro informamos que o Cliente poderá recorrer às seguintes Entidades de Resolução Alternativa de Litígios de Consumo:

i) Provedor do Cliente das Agências de Viagens e Turismo in www.provedorapavt.com;

ii) Comissão Arbitral do Turismo de Portugal in www.turismodeportugal.pt

iii) ou a qualquer uma das entidades devidamente indicadas na lista disponibilizada pela Direcção Geral
do Consumidor in http://www.consumidor.pt cuja consulta desde já aconselhamos.

3. RECLAMAÇÕES

As reclamações apenas poderão ser consideradas desde que apresentadas por escrito à agência no prazo máximo de 30 dias após o termo da prestação dos serviços.

Em caso de reclamação por incumprimento dos serviços contratados poderá o cliente accionar o Fundo de Garantia de viagens e Turismo previsto nos termos no DL 61/2011 de 06 de Maio na sua redacção actual, devendo para isso apresentar a respectiva reclamação:

i) Junto do Provedor do Cliente pois a Papa-Léguas, agência de viagens e turismo Lda. é aderente ao Provedor do Cliente das Agências de Viagens e Turismo in www.provedorapavt.com. Para usufruir deste serviço deverá no prazo de 20 dias úteis após o fim da viagem apresentar a sua reclamação por escrito. As agências estão vinculadas ao pontual cumprimento da decisão que venha a ser emitida por tal entidade.

ii) Junto do Turismo de Portugal I.P in www.turismodeportugal.pt no prazo de 30 dias após : (i) o termo da viagem; (ii) o cancelamento da viagem imputável à agência; (iii) a data de conhecimento da impossibilidade da sua realização por facto imputável à agência; (iv) o encerramento do estabelecimento.

iii) Junto de qualquer uma das entidades constantes do site da Direcção Geral do Consumidor in http://www.consumidor.pt

4. BAGAGEM

1) A agência é responsável pela bagagem nos termos legais;

2) O cliente tem obrigação de reclamar junto da entidade prestadora dos serviços no momento de subtracção, deterioração ou destruição de bagagem.

3) No transporte internacional, em caso de dano na bagagem, a reclamação deverá ser feita por escrito ao transportador imediatamente após a verificação do dano, e no máximo 7 dias a contar da sua entrega. Estando em caso o mero atraso na entrega da bagagem a reclamação deverá ser feita dentro de 21 dias a contar da data de entrega da mesma.

4) A apresentação de tal reclamação será fundamento essencial para o accionamento da responsabilidade da Papa-Léguas, agência de viagens e turismo Lda sobre a entidade prestadora do serviço.

5. LIMITES

A responsabilidade da agência terá como limite o montante máximo exigível às entidades prestadoras dos serviços, nos termos da Convenção de Montreal, de 28 de Maio de 1999, sobre Transporte Aéreo Internacional, e da Convenção de Berna, de 1961, sobre Transporte Ferroviário.

No que concerne aos transportes marítimos, a responsabilidade das agências de viagens, relativamente aos seus clientes, pela prestação de serviços de transporte, ou alojamento, quando for caso disso, por empresas de transportes marítimos, no caso de danos resultantes de dolo ou negligência destas, terá como limites os seguintes montantes:

a) € 441.436, em caso de morte ou danos corporais;

b) € 7.881, em caso de perda total ou parcial de bagagem ou da sua danificação;

c) € 31.424, em caso de perda de veículo automóvel, incluindo a bagagem nele contida;

d) € 10.375, em caso de perda de bagagem, acompanhada ou não, contida em veículo automóvel;

e) € 1.097, por danos na bagagem, em resultado da danificação do veículo automóvel.

Quando exista, a responsabilidade das agências de viagens e turismo pela deterioração, destruição e subtracção de bagagens ou outros artigos, em estabelecimentos de alojamento turístico, enquanto o cliente aí se encontrar alojado, tem como limites:

a) € 1.397, globalmente;

b) € 449 por artigo;

c) O valor declarado pelo cliente, quanto aos artigos depositados à guarda do estabelecimento de alojamento turístico.

A responsabilidade da agência por danos não corporais poderá ser contratualmente limitada ao valor correspondente a cinco vezes o preço do serviço vendido.

6. DESPESAS DE RESERVA

Por cada reserva serão cobradas as seguintes verbas:

Despesas de Reserva :

  • Portugal: 30€ (trinta euros);
  • Restantes Países: 50€ (cinquenta euros).

(valores não reembolsáveis)

Despesas de Alterações:

Por cada alteração (nomes, datas, tipo de apartamento ou quarto, viagem, etc) : 50€ (cinquenta euros). Salientamos que a aceitação de tais alterações depende de aceitação por parte dos respectivos fornecedores

7. DOCUMENTAÇÃO

O cliente deverá possuir em boa ordem a sua documentação pessoal ou familiar, (bilhete de identidade, documentação militar, autorização para menores, vistos, certificado de vacinas e outros eventualmente exigidos). A agência declina qualquer responsabilidade pela recusa de concessão de vistos ou a não permissão de entrada ao cliente em país estrangeiro; sendo ainda da conta do cliente todo e qualquer custo que tal situação acarretar.

Viagens na União Europeia:

  • Os clientes (independente da idade) que se desloquem dentro da União Europeia deverão ser possuidores do respectivo documento de identificação civil (passaporte; B.I, Cartão do Cidadão);
  • Para obtenção de assistência médica devem ser portadores do respectivo Cartão Europeu do Seguro de Doença ;
  • Os nacionais de países não comunitários devem consultar informação específica quanto à documentação necessária para realização de viagem junto das embaixadas/ consulados dos países de origem.

Viagens fora da União Europeia:

  • Os clientes (independente da idade) que se desloquem deverão ser possuidores do respectivo documento de identificação civil (passaporte) bem como do visto se necessário (obtenha tal informação junto da agência no momento da reserva) ;
  • Os nacionais de países não comunitários devem consultar informação específica quanto à documentação necessária para realização de viagem junto das embaixadas/ consulados dos países de origem.
8. MUDANÇAS

Caso os fornecedores da viagem em causa permitam, sempre que um cliente, inscrito para uma determinada viagem, desejar mudar a sua inscrição para uma outra viagem ou para a mesma com partida em data diferente, ou outra eventual alteração, deverá pagar a taxa, como despesas de alteração. Contudo, quando a mudança tiver lugar com 31 dias ou menos de antecedência em relação à data da partida da viagem, para a qual o cliente se encontra inscrito, ou se os fornecedores de serviços não aceitarem a alteração, fica sujeito às despesas e encargos previstos na rubrica “desistência (rescisão)”.

Após iniciada a viagem, se solicitada a alteração dos serviços contratados por motivos não imputáveis à agência (ex. ampliação das noites de estadia, alteração de voo) os preços dos serviços turísticos poderão não corresponder aos publicados no site que motivou a contratação.

9. CESSÃO DA INSCRIÇÃO (POSIÇÃO CONTRATUAL)

O cliente pode ceder a sua inscrição, fazendo-se substituir por outra pessoa que preencha todas as condições requeridas para a viagem, desde que informe a agência vendedora com pelo menos sete dias de antecedência e que tal cessão seja possível nos termos dos regulamentos de transporte aéreos aplicáveis. Em caso de cruzeiros e viagens aéreas o prazo previsto será de quinze dias de antecedência.

A cessão da inscrição responsabiliza solidariamente cedente e cessionário pelo pagamento do preço viagem e pelos encargos adicionais originados.

10. ALTERAÇÕES

Sempre que existam razões alheias que o justifiquem, a agência organizadora poderá alterar a ordem dos percursos, modificar as horas de partida ou substituir qualquer dos hotéis previstos por outros de categoria e localização similar, devendo informar o cliente da tal alteração, logo que dela tenha conhecimento.

11. ANULAÇÕES DO PROGRAMA PELA AGÊNCIA

Quando a viagem esteja dependente de um número mínimo de participantes a Agência reserva-se o direito de cancelar a viagem organizada caso o número de participantes alcançado seja inferior ao mínimo. Nestes casos, o cliente será informado por escrito do cancelamento no prazo de 15 (quinze) dias.

12. ALTERAÇÃO AO PREÇO

Os preços constantes do programa estão baseados nos custos dos serviços e taxas de câmbio vigentes à data de impressão deste programa, pelo que estão sujeitos a alterações que resultem de variações no custo dos transportes ou do combustível, de direitos, impostos, taxas e flutuações cambiais até 20 dias antes da data de viagem.

13. REEMBOLSOS

Depois de iniciada a viagem não é devido qualquer reembolso por serviços não utilizados pelo cliente por motivos de força maior ou por causa imputável ao cliente, salvo reembolso pelos respectivos fornecedores. A não prestação de serviços previstos no programa de viagem por causas imputáveis à agência organizadora e caso não seja possível a substituição por outros equivalentes, confere ao cliente o direito a ser reembolsado pela diferença entre o preço dos serviços previstos e o dos efectivamente prestados.

14. IMPOSSIBILIDADE DE CUMPRIMENTO

Se previamente ao inicio da viagem e por factos não imputáveis à agência organizadora esta vier a ficar impossibilitada de cumprir algum serviço essencial constante do programa de viagem, tem o cliente direito a desistir da viagem, sendo imediatamente reembolsado de todas as quantias pagas ou, em alternativa, aceitar uma alteração e eventual variação de preço.

Se os referidos factos não imputáveis à agência organizadora vierem a determinar a anulação da viagem, pode o cliente ainda optar por participar numa outra viagem organizada de preço equivalente. Se a viagem organizada proposta em substituição for de preço inferior, será o cliente reembolsado da respectiva diferença.

15. DESISTÊNCIA (RESCISÃO)

O Cliente ou algum dos seus acompanhantes é livre de desistir da viagem a todo o tempo.

i) Tal cancelamento implica que o mesmo seja responsável pelo pagamento de todos os encargos a que o início do cumprimento do contrato e a sua desistência dêem lugar e ainda por uma percentagem que pode ir até 15% do preço da viagem.

ii) Quando seja caso disso, o cliente será reembolsado pela diferença entre a quantia paga e os montantes acima referidos.

iii) O cancelamento de serviços de viagem / viagens organizadas cuja reserva tenha sido efectuada utilizando como forma de pagamento o vale emitido ao abrigo do Decreto-lei n.º 17/2020 de 23 de Abril está sujeito a uma taxa de rescisão de valor igual ao preço do serviço, de forma a evitar reservas simuladas ou fraudulentas feitas apenas com o intuito de antecipar o recebimento dos valores titulados pelo vale.

16. CANCELAMENTO

Se por facto não imputável ao cliente, a agencia tiver de cancelar a viagem organizada antes da data de partida, o cliente pode optar por:

i) Ser imediatamente reembolsado de todas as quantias pagas, ou

ii) Em alternativa, optar por participar numa outra viagem organizada, sendo reembolsado da eventual diferença de preço que possa existir;

17. RESPONSABILIDADE

A responsabilidade da agência organizadora das viagens constantes deste programa e emergentes das obrigações assumidas, encontra-se garantida por um seguro de responsabilidade civil na Companhia de seguros Fidelidade, com a apólice n.º 9257343, no montante de 75.000€ (Setenta e cinco mil euros) nos termos da legislação em vigor.

18. IVA

Os preços mencionados neste programa reflectem já o Imposto de Valor Acrescentado à taxa actual de 23%.

19. VALIDADE

Este programa é válido de 01/01/2024 a 31/12/2024.

20. NOTAS
  • As restantes condições especiais estarão incluídas na página de cada destino e viagem em concreto- condições particulares – e que fazem parte do contrato de viagem.
  • As presentes condições gerais poderão ser complementadas por quaisquer outras específicas desde que devidamente acordadas pelas partes.
  • Os preços dos programas estão baseados na cotização média do dólar pelo que qualquer derivação relevante desta moeda poderá implicar uma revisão dos preços da viagem nos termos constantes da cláusula “alteração de preço”.
  • Devido ás constantes alterações do preço dos combustíveis sobre os preços praticados poderá haver alteração do suplemento de combustível inserido no preço nos termos constantes da cláusula “alteração de preço”.
  • As categorias dos hotéis apresentados nesta brochura seguem as normas de qualidade do pais de acolhimento, podendo os mesmos ser alterados por outros similares quando por motivos alheios à agência não seja possível manter ou confirmar a reserva existente, obrigando-se a agência a informar o cliente logo que de tal tenha conhecimento.
21. INFORMAÇÕES GERAIS

Check in de voos:

A Papa-Léguas não efetua o check-in para nenhum voo. Essa tarefa é da responsabilidade do viajante, dando-lhe a oportunidade de selecionar o lugar pretendido e realizar upgrade na sua reserva se assim for a sua vontade. As companhias aéreas reservam-se o direito de aplicar suplementos à escolha de lugares ou de upgrades de classes.

Horas de chegada ou partida:

As horas de partida e de chegada estão indicadas na hora local do respectivo pais e de acordo com horários das respectivas companhias aérea à data de impressão deste programa, podendo por isso ser sujeitas a alteração.

Hotéis / Apartamentos:

Apartamentos - No caso do alojamento ser contratado em apartamento é da responsabilidade do cliente a informação do número de pessoas que irão ocupar o apartamento. No caso de se apresentarem mais pessoas que as reservadas, os apartamentos poderão recusar a entradas.
Hotéis- O preço apresentado é por pessoa e estão baseados numa ocupação dupla. Nem todos os hotéis dispõem de quarto triplo sendo por norma colocada uma cama extra que pode não ser de idêntica qualidade. Nos quartos equipados com duas camas ou casal, o triplo pode ser constituído apenas por aquelas camas.

A relação dos hotéis e apartamentos constantes dos programa é indicativa assim como a sua categoria que respeita a critérios e classificações locais cujos critérios por vezes são distintos dos utilizados em Portugal.

Refeições:

Salvo indicações em contrário, os preços apresentados para os suplementos de Meia Pensão e Pensão Completa não incluem bebidas.

Nas chegadas ao hotel após a 19h o primeiro serviço de refeição será o pequeno-almoço do dia seguinte, no ultimo dia e salvo possibilidade de late check-out, o ultimo serviço do hotel será o pequeno-almoço.

Horários de entrada e saída:

As horas e entrada e saída no primeiro e último dia, serão definidas em função do primeiro e ultimo serviço. Em regra, sem carácter vinculativo os quartos podem ser utilizados a partir das 14h do dia de chegada e deverão ser deixados livres até as 12h do dia de saída.

Nos apartamentos a entrada verifica-se geralmente pelas 17h do dia de chegada e deverão ser deixados livres até as 10h do dia de saída.

Condições especiais para crianças:

Dada a diversidade de condições aplicadas às crianças (destino e fornecedor) recomenda-se questionar sempre as condições especiais que porventura sejam aplicadas à viagem em causa.

Seguro:

A agência disponibiliza a venda de seguros que poderão ser adquiridos em função da viagem para garantia de situações de assistência e despesas de cancelamento.

O limite máximo de idade, para o seguro é de 75 anos inclusive.

Durante o verão no Japão, as vistas para o Mt. Fuji desde a Pagoda Chureito, são absolutamente incríveis.

Um verão no Japão


Condições Particulares

Documentação
Para esta viagem necessita de ter um passaporte em vigor, com uma validade mínima de 6 meses a partir da data de saída do país visitado.

Transferes
Para esta viagem a Papa-Léguas estipula um “voo de grupo”. Todos os viajantes têm de ter o voo igual ao “voo de grupo”, que podem compar através da Papa-Léguas ou online.

Atividade diária e transportes
Esta viagem está classificada como acessível (cor verde) quanto ao grau de dificuldade. No entanto são esperadas marchas diárias em cidade que poderão ultrapassar as seis horas de marcha efetiva em terreno essencialmente plano.

As deslocações dentro das cidades entre os locais a visitar serão efetuadas usando as redes de transporte público, nomeadamente comboio e ferry e autocarro (em Quioto) .

A bagagem será sempre transportada pelos participantes, pelo que a dimensão das malas de viagem deverá ser o mais pequena possível.

Os viajantes que não compram os voos à Papa-Léguas, e que queiram usufruir dos transferes de chegada e partida, devem adquirir os voos para o mesmo aeroporto e para a mesma hora dos voos do grupo.

Alojamentos
O suplemento individual não se aplica à noite passada no templo e à noite no hotel cápsula.
No alojamento no hotel cápsula a distribuição da cápsula é feita por sexos. Existem pisos específicos e distintos para homens e para mulheres. A casa de banho é partilhada e de estilo Japonês.
No alojamento no mosteiro, os quartos poderão ser duplos, triplos ou quádruplos. Para evitar constrangimentos, o tour líder poderá sugerir a divisão dos quartos por sexos.
A casa de banho é partilhada e de estilo Japonês. Há horário pré definido para duches.

A dimensão de um quarto standard no Japão é pequena. Ronda os 12 metros quadrados. As camas acompanham a mesma tendência, sendo igualmente pequenas.
Os quartos são preferencialmente na secção “não fumadores” dos alojamentos escolhidos, no entanto, não poderemos garantir que todos os quartos se situem nessa área.

Líder da viagem
Esta é uma viagem de aventura e descoberta cultural. Quem lidera esta viagem é uma pessoa com experiencia no país a visitar, tendo uma rede de contactos e de conhecimentos que facilita uma interação e uma experiencia cultural que se quer única. A sua missão é liderar o grupo durante todo o percurso facilitando a interação e a integração do grupo com os locais a visitar.
O papel do líder da viagem não deverá ser nunca confundido com o de guia turístico. Não são exigidos ao líder de viagem conhecimentos específicos sobre monumentos, museus ou outros locais de interesse turístico.
Caso a sua viagem inclua locais que pela sua complexidade histórica, geológica, biológica ou artística necessitem de um guia, o mesmo será previamente contratado e haverá uma referência explícita à sua existência no programa da sua viagem.

Desistências
Se o cliente desistir da viagem até 91 dias antes da data de partida e não haja serviços já reservados e pagos, o valor da sinalização já paga será devolvida na íntegra. Caso haja serviços já reservados e pagos, ao valor a reembolsar serão deduzidos os valores pagos aos fornecedores de serviços.

Se o Cliente desistir da viagem a 90 dias ou menos da data de partida, terá que pagar todos os custos a que a sua inscrição e posterior desistência derem lugar e ainda uma quantia que pode atingir 15% do preço da viagem. O Cliente poderá ser reembolsado pela diferença entre a quantia já paga e os montantes acima referidos.

Fumadores
É proibido fumar na rua em andamento, havendo locais específicos para fumadores (mas difíceis de encontrar).

Viajantes com mais de 75 anos
O seguro de viagem incluído neste programa só é válido para viajantes até aos 75 anos inclusive. Isto não significa que viajantes mais velhos não possam viajar, significa apenas que terão de obter o seguro de viagem de forma autónoma.

Grupo Whatsapp
A sensivelmente um mês da saída da viagem, a Papa-Léguas criará um grupo de WhatsApp para que a interação entre os viajantes e o líder se faça de forma simples e fluida. Quem não concordar com esta ação por favor informe-nos.

Líder da viagem

Agostinho Mendes

Líder de Viagens

A paixão pela arte de andarilhar já o fez passar por algumas dezenas de países, distribuídos por vários continentes. Em viagem, procura experiências intensas que já o levaram a viver com nómadas na Mongólia, famílias mosuos na China ou em aldeias nos Himalaias.

Saber mais >

Estamos a preparar o seu programa de viagem.
Aguarde por favor...

Tem uma questão?

Não hesite em nos ligar. Dispomos uma equipa especializada e teremos todo o gosto em falar consigo.

+351 21 845 26 89 / 90

geral@papa-leguas.com

Detalhes da viagem
  • Conforto
  • Dificuldade
  • Duração 16 dias
  • Inscrições 6 - 12 pessoas
  • Idade 16 - 75
  • Tipo de viagem Descoberta, Líder de viagem
  • Destinos Japão
  • Alojamento Hotel, Hotel-Cápsula, Mosteiro

Com séculos de uma história riquíssima, o Japão é um tesouro cultural onde cada templo, cerimónia e artefacto contam a história de uma nação que, se por um lado, continua a honrar as suas tradições seculares, por outro, abraça o desenvolvimento tecnológico e a modernidade. Trata-se, por isso, de um destino cativante que oferece não apenas uma visão fascinante das tradições samurais, rituais religiosos ou deliciosas construções gastronómicas, mas também revela uma cultura que floresce em festivais vibrantes e manifestações artísticas modernistas e inovadoras.

Além das tradições que continuam profundamente enraizadas na sociedade, o Japão destaca-se ainda pela sua deslumbrante beleza paisagística. Desde as imponentes montanhas de origem vulcânica, onde se inclui o majestoso Monte Fuji, até os serenos jardins zen, cada cenário é uma obra-prima natural que convida à contemplação e à interiorização de um sentir prazeroso.

Contudo, esta viagem não estará completa sem testemunhar a modernidade futurista que tão bem caracteriza as metrópoles japonesas. Das luzes de néon vibrantes de Tóquio, passando pelas linhas de comboio Shinkansen e terminando nos arranha-céus futuristas de Osaka, o Japão abraça a inovação tecnológica sem perder a essência de sua identidade única e das tradições seculares presentes na vida diária de cada japonês. Este contraste, entre o tradicional e o contemporâneo, transforma esta viagem ao Japão numa experiência enriquecedora, onde os viajantes são transportados através de séculos num país que, de maneira notável, mantém um equilíbrio perfeito.

Nota importante

Sendo o verão o período de férias por excelência dos portugueses, nomeadamente para profissões ligadas à educação, justiça e indústria, é importante sublinhar que o verão no Japão pode apresentar desafios relacionados com as condições climáticas, embora também ofereça experiências culturais e paisagens inesquecíveis, com destaque para locais normalmente inacessíveis em outros períodos do ano. Durante esta estação, as temperaturas e a humidade podem atingir níveis significativos, criando um ambiente por vezes desconfortável para os visitantes não acostumados a climas mais quentes. Além disso, o verão no Japão é conhecido pela possibilidade de existirem chuvas intensas e tufões ocasionais, o que pode implicar alterações de última hora ao plano previsto para a viagem.

Porque esta viagem é imperdível?
  • Modernidade e desenvolvimento de Tóquio;
  • Anime e Manga;
  • Avistar o Monte Fuji;
  • Viver o ambiente do Monte Koya;
  • Percorrer os Alpes Japoneses;
  • Experimentar um Onsen;
  • Quioto, templos e gueixas;
  • Dormir num mosteiro Budista;
  • Gastronomia surpreendente.

Incluido

  • Acompanhamento de líder de viagem português da Papa-Léguas;
  • 12 Noites em hotel (quarto duplo), 1 noite em mosteiro (quarto triplo ou quadruplo) e 1 noite em hotel cápsula;
  • Refeições: 14 pequenos-almoços e 1 jantar;
  • Assistência, à chegada e partida, nos aeroportos (veja as condições particulares);
  • Transporte em comboios suburbanos e regionais da cadeia Japan Railways, em classe turística;
  • Transporte em comboios regionais da cadeia Nankai, em classe turística;
  • Transporte em autocarro entre Tóquio e Kawagachiko, em classe turística;
  • Transferes em mini-Bus ou carrinhas van entre Kawagachiko e Takayama; Takayama, Shirakawa-go,Hirayu Onsen e Kamikochi; Takayama e Quioto;
  • Entrada nos templos e museus de acordo com o itinerário;
  • Seguro e assistência em viagem.

Excluido

  • Voos internacionais;
  • Estimam-se gastos locais em cerca de 440 Eur;
  • Gastos derivados de condições meteorológicas adversas e atrasos de voos;
  • Todas as despesas pessoais;
  • Qualquer item não mencionado como incluído.
Mapa
Itinerário

Dia 1 Voo cidade de origem - Tóquio

Hoje é iniciada a fascinante viagem a que tantos chamam de País do Sol Nascente. O voo fará uma escala intermédia, regra geral num país do centro da Europa, antes de aterrar na cidade de Tóquio, já no dia seguinte.

Nota: caso o viajante deseje comprar os voos por conta própria, estes devem ter um horário de chegada igual ou aproximado aos voos do grupo indicados pela Papa-Léguas, uma vez que o tour líder estará no aeroporto à espera. O transfere para o hotel será realizado com a reunião total do grupo ainda no aeroporto.

Alojamento: XRefeições: X
Conforto: Dificuldade:

Dia 2 Tóquio

Depois de recolher as bagagens e passar o controlo alfandegário, o tour leader estará à espera para dar as boas vindas e receber todos os viajantes. Ainda antes de deixar o aeroporto, se assim for necessário, haverá tempo para recolher sim cards ou routers, tal como para cambiar ou levantar dinheiro.

Depois de instalados no hotel e um almoço revigorante, passaremos boa parte da tarde em Akihabara, o bairro que se tornou famoso pela concentração de lojas de electrodomésticos, sobretudo no pós-guerra, quando aqui existia um grande mercado negro para este tipo de produtos. Contudo, e à medida que o Japão prosperou, Akihabara voltou-se para o negócio de calculadoras e relógios, brinquedos, jogos e, a partir da década de 1990, computadores e outras tecnologias. Mais recentemente, Akiba, como também passou a ser conhecida, passou a estar focada na cultura Otaku, incluindo o anime, manga e itens para cosplay.

Hoje, e já que todos estarão cansados da longa viagem para aqui chegar, regressaremos cedo ao hotel para recuperar energia e nos apresentarmos em forma logo na manhã do dia seguinte.

Alojamento: HotelRefeições: X
Conforto: Dificuldade:

Dia 3 Segundo dia em Tóquio

O dia começa bem cedo, como aliás começarão quase todos os dias durante a viagem. E desde logo, para quem o desejar, com um pequeno-almoço tipicamente japonês, algo que será um interessante desafio para o palato ocidental.

As visitas do dia começam pela Estação de Tóquio, edifício histórico coberto de tijolos vermelhos, que data de 1914 e foi renovado em 2012 de modo a preservar uma aparência anterior à guerra. Segue-se Marunouchi, o distrito que fica entre a estação o Palácio Imperial. Hoje um dos bairros comerciais mais prestigiados do Japão e sede de algumas das mais poderosas empresas do país, especialmente do setor financeiro, Marunouchi esteve outrora localizado dentro dos fossos externos do Castelo de Edo, o que implicava acolher muitas das residências de alguns dos senhores feudais mais poderosos do Japão.

Prosseguindo através dos Jardins do Palácio Imperial, na verdade uma enorme mancha verde que oferece um refúgio à agitação urbana, será possível avistar parte do complexo onde reside o imperador e chegar a uma das suas entradas mais emblemáticas: a porta junto à Ponte Nijubashi. A alguns minutos de caminhada vamos encontrar o Tokyo International Forum, edifício concluído em 1996, com o cunho do arquitecto Rafael Viñoly e que é um verdadeiro hino à arquitectura moderna.

Segue-se o famoso distrito de Ginza que, com as suas lojas de luxo e alta-costura, tal como a audácia da arquitectura de um grande número de edifícios, fazem da zona uma das mais badaladas e movimentadas da cidade. Um metro quadrado de terreno no centro do distrito vale mais de dez milhões de ienes (6.300€), o que o faz desta zona um dos locais com os imóveis mais caros do Japão.

À distância de uma agradável caminhada desde Ginza, encontraremos o complexo exterior do mercado Tsukiji. Outrora o mais importante centro de comércio de pescado do mundo, entretanto deslocado para o distrito de Toyosu, Tsukiji continua vibrante com as suas lojas coloridas e as ruelas labirínticas repletas de pequenos restaurantes onde, quem sabe, poderemos provar algum do melhor sushi do mundo. Escusado será dizer que o almoço de hoje será por aqui.

Já de “baterias carregadas”, seguimos para Azabudai Hills, um complexo de conhecidos arranha-céus da cidade e onde está o edifício mais alto do Japão. Mas o que nos traz aqui não é a arquitectura ou a modernidade urbana, mas sim algo que nos vai prender os sentidos por um par de horas: o espectáculo imersivo teamLab Borderless. Trata-se de um mundo virtual sem fronteiras e um museu sem um percurso predefinido, o que resulta em momentos inesperados de exploração e descoberta. Originalmente construído em Odaiba, o teamLab Borderless recebeu uma média de 2,3 milhões de visitantes anuais, o que constitui um recorde mundial para o museu mais visitado do mundo de um único artista.

Não muito longo do museu acabado de visitar, teremos oportunidade de observar mais um dos ícones da cidade: a Torre de Tóquio. Concluída em 1958, o monumento desempenha um papel simbólico na história contemporânea da cidade. É ainda um marco que testemunhou o renascimento de Tóquio como uma metrópole moderna após os danos causados pela da Segunda Guerra Mundial.

Ao final da tarde ou início da noite, deambularemos pelo distrito de Shinjuku, uma zona dinâmica e multifacetada que simboliza a modernidade e a cultura pop japonesa. Conhecida pelos imponentes arranha-céus, lojas de electrónica e espaços de lazer, Shinjuku oferece uma experiência nocturna animada e ecléctica. Prova disso é Omoide Yokocho, com as suas ruelas preenchidas de tradicionais restaurantes; o colorido Kabukicho que, entre outras coisas, é uma espécie de red light district; e a Golden Gai, zona de bares onde muitos acabaram as noites.

Alojamento: HotelRefeições: Pequeno-almoço
Conforto: Dificuldade:

Dia 4 Terceiro dia em Tóquio

Deixando o hotel para trás, rumaremos ao Parque Ueno, um verdadeiro oásis no coração de Tóquio. Este vasto parque acolhe vários museus, incluindo o Museu Nacional de Tóquio, templos e até um Jardim Zoológico. Durante a nossa visita, para além da beleza intrínseca que o parque tem para nos oferecer, teremos oportunidade de visitar o Templo Benten-do e circundar grande parte do lago Shinobazu.

Prosseguiremos depois para Asakusa, o distrito contíguo, onde o imponente Templo Senso-ji aguarda por nós. Este templo, fundado no século VII, é o mais antigo de Tóquio e é dedicado a Kannon, a divindade da misericórdia. Segue-se o Sumida, rio que nos guiará numa agradável caminhada até Ryogoku, o conhecido bairro do Sumo e onde se encontra o principal estádio onde se realizam os combates deste desporto rei no Japão.

Depois de almoço, há que atravessar a Baía de Tóquio para a moderna ilha de Odaiba. Aqui, para além de podermos experimentar a fusão entre o entretenimento e arquitectura futurista, teremos uma extraordinária vista para o skyline da cidade, sempre com a Ponte Arco-íris em evidência. De destacar ainda a réplica da estátua da liberdade americana, também ela uma oferta do governo francês.

O dia terminará em Shibuya, um dos bairros mais vibrantes e icónicos de Tóquio. Aqui seremos testemunhas da enorme agitação do famoso Cruzamento de Shibuya, percorreremos ruas repletas de gentes e luzes e, não menos importante, admirar a história de Hachiko: o cão que virou símbolo da lealdade no Japão.

Alojamento: HotelRefeições: Pequeno-almoço
Conforto: Dificuldade:

Dia 5 Tóquio - Kawaguchiko

De manhã, bem cedo, rumaremos ao mais movimentado complexo rodoferroviário do mundo: a estação de Shinjuku. Por minutos seremos alguns entre as cerca de três milhões de pessoas que diariamente por aqui passam. Aqui apanharemos um autocarro (ou comboio caso haja directo) que nos levará a Kawaguchiko, um dos 5 lagos que envolvem o emblemático Monte Fuji. A viagem, que será bastante cénica na sua parte final, demorará de duas a duas horas e meia.

Chegados a este acolhedor destino, e já depois de termos deixado a bagagem no hotel, percorreremos a pé as margens do lago em busca dos melhores enquadramentos para avistar o Monte Fuji. Visitaremos ainda o museu de arte Itchiku Kubota, onde poderemos apreciar a mestria com que este «feiticeiro» da cor pintou as mais belas paisagens do Japão em impressionantes quimonos.

Ao final da tarde, regressaremos à estação de comboio que nos acolheu pela manhã, mas desta vez para uma breve viagem de dez minutos de comboio. Seguem-se mais quinze minutos de uma agradável caminhada, encosta acima, que nos levará à Pagoda Chureito, um edifício de cinco andares, construído em 1963, e que faz parte do Santuário Arakura Sengen. Local privilegiado para observar a cidade de Fujiyoshida, o que verdadeiramente aqui nos traz é a vista deslumbrante para o Monte Fuji, em particular durante o pôr-do-sol. Serão momentos mágicos, verdadeiramente inesquecíveis e que darão lugar a belas fotografias para mais tarde recordar.

Regressaremos depois para a zona do hotel onde procuraremos nas imediações um local para jantar.

Alojamento: HotelRefeições: Pequeno-almoço
Conforto: Dificuldade:

Dia 6 Kawaguchiko

Depois de uma viagem de autocarro logo pela manhã, chegaremos a Aokigahara, uma floresta deslumbrante que se ergueu sobre os campos de lava que abraçam o Fuji e que é particularmente bela durante o verão no Japão. O cenário irá convidar-nos a explorar não apenas a sua beleza, mas também a respeitar a delicada harmonia entre o mundo natural e os mitos, meio tenebrosos, que pairam no seu interior. Pela ausência de restaurantes no interior da floresta, o almoço de hoje terá de ser preparado de véspera e transportado por cada viajante.

Depois de algumas horas em comunhão com a natureza e o silêncio que ecoa da floresta, prosseguiremos para o Lago Saiko, um espelho de água muito mais pequeno que o Kawaguchiko, mas com uma vista sobre o Fuji absolutamente deslumbrante.

Antes do regresso ao hotel, em Kawaguchiko, teremos ainda a oportunidade para visitar Iyashino-Sato Nenba, a aldeia museu repleta de casas tradicionais com telhados de colmo "Kabuto-zukuri", ou os telhados que se assemelham aos capacetes dos guerreiros samurai. Embora o edificado pareça ter resistido aos séculos e hoje testemunhem a tranquilidade da vida rural japonesa, a verdade é que a aldeia foi completamente devastada por um tufão em 1966. Mais tarde foi reconstruída e deu lugar à aldeia museu onde já não residem pessoas, mas onde é possível visitar casas típicas e centros interpretativos sobre a história e tradição do lugar.

Alojamento: HotelRefeições: Pequeno-almoço
Conforto: Dificuldade:

Dia 7 Kawaguchiko - Takayama

A manhã de hoje será longa, já que nos espera uma viagem aproximada de 4h em autocarro. É dia de nos dirigirmos aos Alpes Japoneses, um dos locais com algumas das paisagens mais belas da ilha de Honshu. Ao início da tarde estaremos em Takayama, cidade que servirá de base para explorarmos a região.

Depois de almoço, procuraremos calcorrear as ruas da cidade que nos transporta aos tempos feudais, onde a cidade ganhou relevância como fonte de madeira de alta qualidade e carpinteiros muito qualificados. Entre os muitos atractivos que nos são oferecidos, destacam-se pequenos museus, templos, casas senhoriais e alguns mercados de rua, sempre cheios de artesanato e produtos locais. Começaremos por Takayama Jinya, um belo edifício de estilo tradicional japonês que serviu de escritório do governo do xogum Takayama, durante o Período Edo. Prosseguimos depois para Sanmachi Suji, a rua que é o coração do centro histórico da cidade e apresenta um notável conjuntos de casas muitíssimo bem preservadas.

A casa Kusakabe será a próxima visita e é um dos espaços comerciais mais antigos de Takayama que ainda estão abertos ao público. Diz-se que os seus antigos moradores, a família Kusakabe, eram agiotas particularmente bem-sucedidos. Para finalizar as visitas do dia, continuaremos a caminhada até ao Santuário Hachiman. Rodeado por exuberantes bosques de cedros e um ambiente especial, o santuário convida à reflexão e à conexão com a história e espiritualidade do Japão.
Além de seu significado religioso, o Santuário Hachiman também é palco de importantes festivais anuais e cerimónias tradicionais que celebram a cultura local e a devoção aos deuses.

Alojamento: HotelRefeições: Pequeno-almoço
Conforto: Dificuldade:

Dia 8 Takayama - Shirakawa-go - Hirayu Onsen - Takayama

Depois do pequeno-almoço, seguimos para um dos pontos mais conhecidos destas paragens: a aldeia Ogimachi, em Shirakawa-go, com as suas casas construídas em estilo gassho-zukuri, que num português directo significa “construído com as mãos em oração”. Tendo por base uma estrutura relativamente simples, o estilo gassho-zukuri é utilizado na construção de casas com 2 ou 3 pisos, onde são montados telhados muito inclinados, de duas águas, feitos com uma grande espessura de colmo. Pertencente a um conjunto mais amplo de aldeias declarado património da humanidade pela UNESCO, Ogimachi é a aldeia de maior dimensão e talvez aquela que apresenta maiores motivos de interesse.

A cerca de uma hora e meia de Ogimachi, passaremos grande parte da tarde em Hirayu Onsen, uma estância termal, nos Alpes Japoneses, situada numa deslumbrante paisagem montanhosa do Parque Nacional Chubu Sangaku. A região está repleta de fontes termais ricas em minerais, que convidam a relaxar em banhos ao ar livre, proporcionando vistas espectaculares sobre as montanhas envolventes. É, por isso, chegada a altura de relaxar e experienciar os banhos tradicionais japoneses.

Antes de regressarmos a Takayama, teremos ainda oportunidade de fazer uma caminhada, sem grande dificuldade, para visitar uma bela cascata que se deixa cair por 64 metros e está a cerca de 30 minutos do centro de Hirayu.

Alojamento: HotelRefeições: Pequeno-almoço
Conforto: Dificuldade:

Dia 9 Takayama - Kamikochi - Takayama

Prosseguindo com a descoberta dos Alpes Japoneses, hoje vamos conhecer um dos lugares mais extraordinários da região: Kamikochi e os 15 quilómetros do vale do rio Azusa. Situada 1500m acima do nível do mar, a região resplandece durante o verão no Japão e encerra algumas das mais espectaculares vistas de montanha, muito pela presença dos montes Okuhotakadake (3190 m), Maehotakadake (3090 m) e Yakedake (2455 m), um vulcão ainda activo. Mas a beleza não se encerra por aqui. Há ainda os lagos, cascatas, extensos bosques e algumas comunidades de primatas, que vão acompanhar-nos durante um dia muito bem passado. Ao final do dia regressaremos à cidade de Takayama para nos alojarmos no hotel.

Nota: Como ao longo dos percursos usados para as caminhadas existem poucos locais para comer, se assim se achar mais vantajoso, o almoço do dia poderá ser preparado de véspera e transportado por cada viajante para depois fazermos um picnic.

Alojamento: HotelRefeições: Pequeno-almoço
Conforto: Dificuldade:

Dia 10 Takayama - Quioto

Hoje o nosso destino aponta para Quioto, a cidade que nos acolherá nos próximos dias e que por estar algo distante nos fará passar toda a manhã em viagem.

Depois de instalados no hotel e de um recompensador almoço num restaurante das imediações, tomaremos um autocarro da rede urbana em direcção ao Pavilhão Dourado ou, como por estas paragens é conhecido, Kinkakuji. Adaptado de um complexo existente para a casa de férias do shogun Ashikaga Yoshimitsu, em finais do século XIV, a verdade é que com a sua morte prematura, e segundo o desejo expresso em testamento, o espaço acabou por ser convertido num templo budista Zen.

O impressionante Pavilhão Dourado foi construído para consagrar Buda, com um santuário adicional no segundo nível dedicado a Kannon, a deusa da misericórdia. O espaço está preenchido por um lago, de nome Kyōko-chi; uns jardins que são um verdadeiro hino ao desenho de jardins do período Muromachi, considerado o período clássico do desenho de jardins japoneses; e o edifício que dá o nome ao local, onde os dois últimos pisos estão cobertos de folha de ouro verdadeiro.

Do templo dourado deambularemos até uma «pequena pérola» escondida na cidade que é o Santuário e jardim de Imamya. Trata-se de um complexo xintoísta, que data de 994 e consagra vários kami, incluindo as divindades para a vida longa, boa saúde e o casamento.
A caminhada não nos ocupará mais de 20 minutos, mas com sorte seremos recompensados com um ou dois casais de noivos que escolhem os jardins do santuário para as suas fotografias de casamento.

Alojamento: HotelRefeições: Pequeno-almoço
Conforto: Dificuldade:

Dia 11 Quioto

Desde o hotel, caminharemos até à estação central de Quioto. Será um percurso de aproximadamente 30 minutos, mas que nos permitirá observar alguns dos contrastes que a cidade tem para nos oferecer: por um lado, a modernidade, com edifícios altos e largas avenidas; e por outro, ruas estreitas, apenas com uma faixa de rodagem para veículos, casario tradicional rasteiro, em muitos casos ainda de madeira.

Chegados à estação, tomaremos o comboio para um dos locais mais fotografados de Quioto: o complexo Fushimi-inari-taisha, um santuário xintoísta famoso pelos milhares de toriis vermelhos (entre os 20000 e os 40000 segundo as fontes consultadas) que resultam em vários tuneis distribuídos por vários caminhos que nos levam ao topo do monte, também ele sagrado e que se apropriou do nome da deusa Inari, a raposa feita divindade do arroz e das colheitas. O caminho até o topo, sobretudo quando acompanhado pelas temperaturas do verão no Japão, poderá ser mais desafiante para alguns, mas seguramente que valerá muito a pena.

Regressados à estação central de Quioto, iremos explorar o edifício que, com mais de 15 andares, é um dos ícones mais marcantes da cidade no que respeita à arquitectura do século XX. Caminhar no passadiço Skyway, avistar a cidade de um dos vários pontos de observação ou almoçar um saboroso Ramen, num dos muitos restaurantes que podemos encontrar no 9º piso, são apenas alguns bons exemplos do que iremos fazer.

Durante o período da tarde, começaremos por visitar Higashiyama, seguramente um dos bairros mais especiais da cidade de Quioto. Repleto de ruelas cheias de edifícios históricos preservados, Higashiyama é um local especial para «experimentar» a antiga Quioto tradicional, especialmente entre o templo Kiyomizudera e o Santuário Yasaka. É isso que também iremos fazer!

Ao final do dia exploraremos Gion, um bairro que conta com um grande número de famosos restaurantes e casas de chá com traça tradicional, locais que são o «habitat» natural de Geishas e Maikos. Assim, e sem garantia absoluta de sucesso, percorreremos as vielas do bairro tentando encontrar uma das personagens que se tornou num verdadeiro ícone da cultura japonesa. A noite prosseguirá no bairro, nomeadamente para também por aqui jantarmos.

Alojamento: HotelRefeições: Pequeno-almoço
Conforto: Dificuldade:

Dia 12 Quioto - Osaka

À semelhança do que já aconteceu na manhã do dia anterior, também hoje vamos começar o dia com um dos locais mais fotografados da cidade: a região de Arashiyama e a sua famosa alameda de bambus. Conhecida como Sagano Chikurin no Michi, a expressiva floresta apresenta-se com caminhos onde o bambu cresce densamente em ambos os lados e onde o vento, que abana a folhagem numa espécie de dança hipnotizante, transmite uma atmosfera contagiante.

Segue-se a Okochi Sanso Villa, a antiga casa do actor de cinema japonês Denjiro Okochi (1898-1962). Aqui o edificado expressa muito do que é a arquitectura tradicional japonesa, mas a razão principal da nossa visita prende-se com os 2 hectares do jardim que aqui foi construído. É um exemplo notável daquilo que são os jardins tradicionais japoneses, neste caso com a incorporação da paisagem das florestas circundantes na composição de um jardim artificial: um estilo específico chamado shakkei, que significa “cenário emprestado”.

Desceremos depois através da floresta, por entre trilhos mais ou menos fechados, até ao rio Hozu. Já na sua companhia, o percurso até à ponte Togetsukyo será breve, mas rico na envolvente paisagística. Togetsukyo, que significa a ponte para o atravessamento da lua, é um dos marcos mais icônico de Arashiyama e foi originalmente construído durante o Período Heian (794-1185).

Depois do regresso ao centro da cidade, o almoço e boa parte da tarde será livre para a realização de compras e recordações de viagem.

Por volta das 17h há que deixar Quioto e começar a exploração de uma nova cidade: a emblemática Osaka. E nada melhor que começar com a experiência em nos alojarmos num hotel cápsula, o tipo de alojamento que começou por querer servir quem não conseguia apanhar os últimos comboios da noite e hoje é uma das imagens de marca do país.

Durante a noite vamos ainda ter oportunidade para conhecer Dōtombori, seguramente o local nocturno mais animado da cidade. A zona desenvolve-se através do canal, com 400 anos, que lhe deu o nome, mas agora ladeado de ruas pedestres repletas de néones e outdoors iluminados que são reflectidos pelas águas. Aqui não iremos perder o famoso placard do «homem que corre» da Glico e também uma das iguarias japonesas: o Takoyaki.

Alojamento: Hotel-CápsulaRefeições: Pequeno-almoço
Conforto: Dificuldade:

Dia 13 Osaka - Mt. Koya

O dia de hoje promete levar-nos ao Monte Koya, um local registado como Património Mundial Cultural da UNESCO e seguramente um dos lugares mais icónicos e emblemáticos do Japão, mas já lá iremos.

Deixaremos bem cedo o hotel para aproveitar a manhã na cidade de Osaka, mas a primeira paragem do dia será Namba, a estação onde deixaremos a bagagem e de onde partiremos mais tarde para o grande destino do dia.

Com a estação deixada para trás, seguimos a pé para Shitennōji, um dos templos budistas mais antigos do Japão (há mesmo quem o considere o primeiro de todos). Fundado em 593 pelo príncipe Shotoku, que apoiou a introdução do Budismo no Japão, o conjunto de edifícios já ardeu várias vezes ao longo dos séculos, mas sempre foram reconstruídos para reflectir o desenho original do século VI.

Prosseguimos para Shinsekai, distrito que foi amplamente desenvolvido nos anos anteriores à grande terra, mas profundamente negligenciado nas décadas seguintes. Mantendo como «farol» a Torre Tsūtenkaku, que se ergue no centro do distrito, deambularemos pelas ruas repletas de restaurantes que servem Kushikatsu, a especialidade de Osaka composta por diversos alimentos no espeto, panados e fritos. Segue-se o Parque Tennoji, um local repleto de jardins exuberantes e lagos cénicos que proporcionam um refúgio relaxante em contraponto com a agitação da cidade. Ainda antes do almoço, teremos oportunidade de visitar parte do Abeno Harukas, aquele que foi o edifício mais alto do Japão até meados de 2023.

A distância entre Osaka e o Monte Koya não é demasiado grande, mas a verdade é que não é rápido para lá chegar. Iremos viver uma odisseia com o “saltitar” constante entre comboios, elevadores de cremalheira e autocarros, isto até chegarmos ao mosteiro que nos acolherá por uma noite. É um esforço que no final será bem recompensado!

O Monte Koya, também conhecido como Koyasan, é um local sagrado de grande importância no contexto do budismo, especificamente da tradição Shingon introduzida no Japão por Kobo Daishi no ano de 805. Também conhecido como Kukai, este respeitado monge e erudito, estabeleceu o templo Okunoin, local que acabou por se tornar o epicentro espiritual da região. E se originalmente a pequena aldeia de templos que cresceu em redor do templo erguido por Kobo Daishi só recebia peregrinos, hoje os templos abrem portas a todos os visitantes que desejem pernoitar neste local sagrado.

A estadia num templo proporciona uma experiência única de imersão autêntica e partilha do modo de vida local. Desde as refeições até os banhos, passando pela dormida em tradicionais futons, ou pelas orações matinais com os monges, cada detalhe oferece uma imagem do Japão que muitas vezes imaginamos só já fazer parte da história.

Alojamento: MosteiroRefeições: Pequeno-almoço, Jantar
Conforto: Dificuldade:

Dia 14 Mt. Koya - Osaka

Bem cedo, ainda antes dos primeiros raios de sol se fazerem notar, o gongo tocado por um monge chamar-nos-á para a oração matinal. Durante este ritual, os monges entoam cânticos melódicos e realizam práticas espirituais, criando uma atmosfera de serenidade profunda que nos contagiará.

Tal como no jantar do dia anterior, também o pequeno-almoço de hoje será totalmente vegetariano, uma experiência gastronómica sublime, destacada por ingredientes frescos e técnicas culinárias tradicionais. No fundo, cada refeição reflecte o compromisso espiritual e a busca pela harmonia com a natureza.

As visitas do dia começam com a descoberta de Okunoin, o local sagrado onde podemos encontrar o mausoléu de Kobo Daishi e um dos maiores, senão mesmo o maior cemitério do Japão. Numa extensão que ultrapassa os dois quilómetros, mais de duzentas mil campas distribuem-se por uma floresta densa, repleta de cedros japoneses com centenas de anos e um ambiente místico que não deixa ninguém indiferente. Antes do almoço há ainda tempo para visitar Kongobuji, a sede para o budismo Shingon, com mais de 10.000 templos espalhado pelo Japão; e o complexo de tempos Danjo Garan.

Depois de um reconfortante almoço, mais ou menos a meio da tarde, iniciaremos a nossa viagem de regresso a Osaka. E se a chegada ao Monte Koya envolveu um “saltitar” entre comboios, autocarros e elevadores de cremalheira, a saída implicará o mesmo, mas desta vez em sentido contrário.

Ficaremos instalados no distrito de Umeda, local onde faremos um primeiro reconhecimento durante a noite.

Alojamento: HotelRefeições: Pequeno-almoço
Conforto: Dificuldade:

Dia 15 Osaka - Himeji - Osaka

Não muito longe de Osaka, boa parte do dia será passada em Himeji, cidade que conta com o mais famoso e esplendoroso castelo japonês. Considerado tesouro nacional e património mundial da UNESCO, o Castelo de Himeji está referenciado com um dos 12 castelos originais do Japão, sendo de sublinhar o facto de ter sobrevivido a mais de 400 anos sem danos significativos de guerra, terremotos ou incêndios. Também chamado de Castelo da Garça, muito pelo característico gesso branco que compõe as suas paredes, trata-se de um complexo notável que traduz muito bem a arquitetura tradicional dos castelos japoneses.

Segue-se a visita aos jardins Koko-en, mesmo ao lado no complexo do castelo. Trata-se de uma construção que envolve um conjunto de nove jardins murados separados, projectados em vários estilos do Período Edo e que ocupam o local da antiga residência oeste do senhor feudal Nishi-Oyashiki. A construção é recente (1992), mas muito reveladora daquilo que simboliza um verdadeiro jardim japonês.

Regressados a Osaka, iremos explorar o distrito de Kita que significa «norte» e mais não é que a zona envolvente da grande estação de Umeda. E se o complexo ferroviário é o coração deste distrito, o mesmo está rodeado por grandes centros comerciais, sedes de grandes empresas, o icónico Hep Five e a sua roda gigante vermelha e, um pouco mais distante, o Umeda Sky: um edifício com por duas torres, com 173 metros de altura, que se ligam por uma plataforma de observação «flutuante» no 39º andar.

Alojamento: HotelRefeições: Pequeno-almoço
Conforto: Dificuldade:

Dia 16 Voo Osaka - cidade de origem

De transportes públicos ou transfer contratado para o efeito, chegaremos ao aeroporto três horas antes da partida para iniciar as formalidades de embarque para o voo que nos levará de regresso a casa.
Consoante a companhia aérea utilizada, faremos uma escala numa cidade europeia ou do médio oriente.

Alojamento: XRefeições: X
Conforto: Dificuldade:

FAQs

Esta viagem é para mim?

Esta viagem é para viajantes ativos e curiosos. Conheceremos os principais locais a pé, por isso prepara-te para andar. Se és uma pessoa curiosa, ativa e que gostas de explorar novos locais a caminhar, esta viagem é definitivamente para ti.

Quem será o guia desta viagem?

O Líder de viagem será o Agostinho Mendes, um profundo conhecedor do Japão, nomeadamente, das suas gentes, cultura e tradição. O Agostinho conta no seu currículo com múltiplas viagens ao Japão, entre guiadas e particulares.

Em que tipo de alojamentos fico nesta viagem?

Nesta viagem ficamos quase sempre em hotéis. As exceções serão as noites que passaremos num templo budista e num hotel cápsula. Os hotéis são confortáveis e bem localizados. A divisão dos viajantes será em quarto duplo nos hotéis. No templo poderá haver a hipótese de três pessoas partilharem o quarto e no hotel capsula o alojamento é em cabine individual. O pequeno almoço está sempre incluído com exceção da noite no hotel cápsula.

Que tipo de transportes usamos nesta viagem?

Usaremos sempre transportes públicos. Maioritariamente comboios urbanos, suburbanos e comboios de alta velocidade (designados Shinkansen). Tambem usaremos autocarros, barco e táxis se necessário.

Os transferes de chegada e partida estão incluídos?

Sim. Mas para que isso aconteça o grupo terás de estar a uma hora pré definida no aeroporto de referência em Tóquio à chegada (normalmente o aeroporto de Haneda). Na partida, haverá também uma hora de referencia para o voo de partida e em função disso o Artur irá com o grupo para o aeroporto.

A Papa-Léguas trata dos voos?

A Papa-Léguas envia-te uma proposta de voos. Depois de receberes a simulação dos voos, podes optar por comprar à Papa-Léguas, noutra agência ou online.

Onde me encontro com o grupo?

Encontras-te com o grupo em Portugal no aeroporto, no voo ou à chegada a Tokyo, caso vás num voo diferente. Nesta viagem existe o voo de grupo, ou seja, existe uma hora especifica para a chegada e os transferes serão de acordo com a chegada desse voo. Se optares por comprar voos diferentes, terás de estar no aeroporto à mesa hora para usufruir dos transferes, ou caso vás alguns dias antes encontras-te com o grupo no hotel.

Se me inscrever sozinho/a, tenho que pagar suplemento individual?

Não necessariamente. Se não fizeres questão de ficar sozinho/a nos alojamentos, poderás partilha-los com outra pessoa inscrita. A Papa-Léguas poderá agrupar aos pares, por sexo e por ordem cronológica de inscrição, os viajantes que se inscreverem individualmente para a mesma viagem e, se o número de participantes for ímpar, o que ficar isolado deverá pagar o suplemento individual respetivo.

Posso beber água da torneira no Japão?

Podes. É totalmente seguro beber água da torneira ao longo de todo o percurso por onde passa esta viagem.

Quanto dinheiro devo levar para os meus gastos pessoais?

O custo de vida no Japão pode ser muito caro, no entanto, as escolhas dos restaurantes e de outros eventos onde possas ter que gastar dinheiro são selecionados, entre outros fatores, de forma que o gasto diário médio não ultrapasse os 30 euros para as despesas básicas. Por isso, diríamos que o valor não deverá exceder os 440 euros.

No programa terra, está incluído um seguro? Quais as suas coberturas?

Sim está incluído. A exceção é para viajantes que não partam de solo nacional, sejam ou não titulares de nacionalidade portuguesa. O seguro incluído não cobre Covid-19 mas podes acionar um seguro opcional sugerido pela Papa-Léguas que cobre gastos ou cancelamento da viagem relacionados com a Covid-19. Vê a nossa apólice na página específica dos seguros.

Que documentação é necessária para fazer esta viagem?

Para fazeres esta viagem terás que ter o passaporte com uma data de validade de pelo menos 6 meses para além da data de saída do Japão. e com duas páginas em branco.

Que equipamento é imprescindível para fazer esta viagem?

Diríamos que terás que pôr na mochila roupa confortável e sapatos confortáveis. Sendo o Japão um arquipélago, a chuva pode ocorrer em qualquer altura do ano, por isso um impermeável dá jeito. Para além disso a área do Monte Koya pode ser muito fria e, como tal, um casaco quente, luvas e gorro podem mostrar-se úteis. Vais receber uma lista detalhada do equipamento quando fizeres a inscrição na viagem.

Quais as restrições sanitárias para entrar no país?

Não existem restrições sanitárias específicas. Em relação às restrições Covid-19, devido a constantes alterações das mesmas, agradecemos que contactes a Papa-Léguas para mais informações.

Porque esta é uma viagem CLASSIC?

Estas são as viagens que balançam o conforto a que já habituamos os nossos viajantes com experiencias memoráveis nos quatro cantos do planeta. As viagens CLASSIC são aquelas que proporcionam o melhor dos dois mundos – espírito de descoberta e aventura e uma boa cama ao fim do dia.

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

GDPR